Girls’ Generation [SNSD] – First Japan Tour

Introdução

Finalmente, Sones! Assim como prometido, estamos trazendo para vocês o review do DVD que abrange um show da 1ª grande turnê japonesa do Girls’ Generation! Idealizada como parte das divulgações do primeiro álbum nipônico, homônimo ao grupo, e, em minha opinião, o melhor registro de estúdio das meninas. Essa apresentação oferece tudo o que encontramos no cd, literalmente.

A turnê em si foi um enorme sucesso. Sendo anunciada primeiramente em 7 de Março de 2011, as garotas embarcariam para o país no dia 18 de Maio do mesmo ano. Em um primeiro momento sendo adiada devido o grande terremoto que atingiu o Japão, a turnê retornou refletindo a empolgação dos fãs. Devido o alto índice de procura pelos ingressos, alcançando números estratosféricos, o que antes se caracterizaria por sete apresentações, acabou por alcançar o total de catorze.

As sedes escolhidas foram Osaka, Saitama, Hiroshima, Nagoya, Fukuoka, Tokyo; com uma média de 2 shows por local, com exceção de Tokyo, que recebeu quatro apresentações. Além da longa lista de shows, ainda houve uma cobertura expressiva da impressa. Alguns programas mostraram detalhes dos bastidores, enquanto outros apostaram em mostrar biografias do grupo. Uma coisa é certa, o terreno foi preparado e o sucesso foi garantido.

O registro em disco ficou conhecido como “o show sem os solos” pelos fãs, mas esse não é um problema, não o que deva ser criticado. Contando todas as performances, o show teria aproximadamente três horas, o que não poderia ser inserido em um único DVD, como ocorreu com o “Asia Tour”, que foi dividido em duas mídias. Mesmo abdicando desse aspecto, o show preza por uma enorme qualidade técnica.

É o material ideal para divulgar o grupo no país, além de confirmar a posição do SNSD como um dos maiores grupos coreanos em solo nipônico.

Gostaria de avisar que não encontrei imagens dessa performance em si na imprensa, então improvisei e retirei screens do próprio DVD. Essa é a razão da resolução das imagens estar um pouco baixa, mas nada que atrapalhe.

O show

Assistindo ao show, tive uma plena certeza: Essa performance foi idealizada para ser registrada. Ela é perfeita. E essa perfeição tem seu preço, para bem e para o mal. O show tem uma qualidade impecável, que não tem como por defeito em sua qualidade técnica. Mesmo assistindo em DVD, não perde-se em nada. Fazendo um upscaling caseiro, com alguns filtros e codecs, consegui uma imagem lindíssima e bem definida. Em Blu Ray, com o HD legítimo, deve ser de fazer babar.

O conjunto de câmeras também é excelente. As gravações devem ter sido feitas por diversas câmeras, arrisco dizer dezenas, sendo que esse material foi entregue posteriormente a um dedicado editor de imagens. Os ângulos, cenas e “quem” ou “o quê” foram mostramos de forma certa e no momento certo. Foram valorizados os momentos de conjunto do grupo, que mostram que a força do Girls’ Generation está em todos os seus membros. Até mesmo em momentos solo, como a “batalha de dança” de Yuri e Hyoyeon, foi dado um jeito para prezar o coletivo. E nas cenas onde aparecia algum membro de forma unitária, o corte era imediatamente feito. Legal esse conceito de “um por todos e todos por um”.

A edição ainda fez uma homenagem mais do que especial aos que estiveram presentes na apresentação. O público é praticamente o décimo membro do Girls’ Generation, pois tem participação ativa no espetáculo. É justificável o uso das luzes de neon do fã clube, que foi muito bem utilizado. Um mar rosa pintou a Arena. A iluminação profissional também ficou muito bem feita, condizente com o que as garotas demonstravam no palco.

Ainda contribuindo para que as garotas brilhassem estavam os curtos filmes exibidos nas brechas entre performances. Todos de altíssimo nível, de uma qualidade absurda. Destaco o vídeo que foi apresentado antes da performance de “Run Devil Run”, que contava com um trecho da icônica música do Balé “Lago dos Cisnes”, salvo engano. O conceito em si foi lindo, mostrando os dois lados das meninas. Da pureza representada pela queda da neve à sensual dança em trajes negros.

“Black Swan” – Official Run Devil Run Intro Movie

Imagem de Amostra do You Tube

Ainda sobre os filmes apresentados, há um momento em “Bad Girl” onde é mostrado o Brasão de Armas do Brasil, como visto na imagem abaixo.

Antes de prosseguir, devo adverti-los que sou o inimigo número um do playback e dos filmes dublados (atuais). Já devem entender onde quero chegar, não é? O profissional responsável pela edição de som abusou na dose. O concerto é quase em sua totalidade feito com as bases de som no máximo. Em vez de show, parecia estar vendo versões live dos MVs. Isso é culpa das meninas? Mas nem de longe!!!

SNSD é comprovadamente um grupo que sabe cantar, todas elas já provaram isso diversas vezes. Reconheço que é impossibre (sic) cantar e dançar sempre ao mesmo tempo, reconheço também a dificuldade do controle da respiração. O uso do playback é esse, auxiliar o artista no momento de uma performance onde a dança exige bastante.

O fã não vai ao show ouvir playback. Se fosse por isso, ficaria em casa ouvindo os discos. O fã vai ao concerto para interagir com seu ídolo, ver como o mesmo se sai na “fogueira”. Sentir seu esforço, sua dedicação. Se elas no show cantaram, por que colocar o playback no máximo no DVD?

Deixem-me explicar. Procurando qualquer fancam de apresentações do SNSD é possível ver como suas vozes soam ao vivo e não é nada mal. Em toda produção do tipo há os retoques, é normal, mas na edição final ficou escancarado o uso desse método. Todos os canais de som são gravados individualmente, isso inclui a voz das meninas. Em estúdio basta equalizar de forma que o playback proteja suas vozes, mas que não as engula, como ocorreu.

Observem essa apresentação feita em uma rádio:

Say Yes@Kiss the radio

Imagem de Amostra do You Tube

Esse é o uso correto do playback. Apoia o artista, mas ainda deixa sua voz se destacar.

Qual o problema da SM? Não confia no produto que está vendendo? É ilógico, faz com que o grupo fique em ‘desvantagem’ e dá argumento aos “anti-fãs”. É como dar muletas para um corredor de maratona, só atrapalha. Não são em todos os momentos, pois em certas vezes a voz a Taeyeon soa tão bem (e alta) que o gênio da mixagem deixa intocada, superando o que é ouvido nos CDs. Um pouco de bom senso haveria de ter em algum momento.

A coisa ficou tão mal feita, que o som do público foi abafado. Em gravações ao vivo é perfeitamente possível ouvir os fãs cantando junto, é isso que dá a sensação de imersão. Até isso foi retirado. Não totalmente, pois em certos momentos deixam o som da reação do público ser ouvido e nos fazem lembrar que é uma apresentação ao vivo. Para simular um som ao vivo, o editor de som “abriu” o áudio de forma a parecer que se propaga. Um efeito tão básico, que dá para configurar nas opções do Windows…

Uma das poucas músicas que teve a base de som diminuída foi em “Into the New World” e é simplesmente sensacional. Não só pela dança perfeita, mas porque é possível sentir o sentimento das meninas. É uma música muito significativa não só para o grupo, como para qualquer Sone. Em “Complete” também temos uma mostra de como elas se garantem bem. É revoltante saber que outras excelentes faixas como “You-Aholic”, “Kissing You”, “The Great Escape” e “Hoot” foram prejudicadas pela displicência de terceiros. É um atentado contra minha inteligência afirmarem que “Bad Girl” foi cantada sem playback.

Mas nem tudo é ruim, então vamos falar de coisa boa. Vamos falar de Tek… Não, vamos falar de coisa boa de verdade.

Como não poderia deixar de ser, o Girls’ Generation salva o show. Se somos privados do privilégio de ouvir suas vozes, temos a chance de presenciar a competência que demonstram no palco. Como eu já disse, a noção de grupo delas é excepcional. Muitos grupos tentaram repetir a dose do “Power of Nine”, como é dito pelos fãs, mas fracassaram. Alguns executam performances confusas e sem coordenação necessária, fazendo o palco parecer “cheio” demais.

As meninas do SNSD apresentam um conhecimento enorme do palco em que pisam, demonstrando um timing perfeito e executando suas danças de forma extremamente competente. Você não vê ninguém “batendo cabeça”, pois cada um sabe sua posição. Fizeram um palco enorme parecer compacto. A performance de “Gee” demonstra isso, onde mesmo sem estarem perfiladas como a coreografia exige, mostraram muita desenvoltura e aproveitaram com perfeição o espaço que tinham.

Elas não deixam os fãs ficarem parados, estão a todo momento interagindo com o público e isso é uma diferença abissal. É esse aspecto que caracteriza a apresentação ao vivo, é por isso que compensa pagar o ingresso. Esse contato, mesmo com limitações devido as barreiras de segurança, é excelente e deve servir de exemplo para ídolos que se julgam “intocáveis”.

O Setlist é ótimo, apesar de previsível. Como o objetivo era promover o primeiro álbum japonês, foi uma compilação das músicas do disco com o acréscimo de músicas coreanas, como a divertida “HaHaHaSong”, a sempre gostosa de ouvir “Kissing You”, a dançante “Oh!” e tantos outros exemplos. Se a experiência foi destruída pelo excesso cometido na edição, ao menos a disposição de canções é excelente e dificilmente o expectador irá parar de assistir por cansaço ou tédio.

As roupas usadas são muito bonitas, em um contexto geral. Feitas para combinarem com as canções executadas, cumprem bem seus papéis e destacam os atributos das garotas. Há uma reclamação entre alguns fãs pelo sentimento de uniformidade nas vestimentas. Sinceramente, isso é procurar motivo para reclamar. É justamente esse padrão que dá um charme a mais. Caso alguém queira procurar alguma coisa que as diferencie, que olhe suas personalidades. O figurino das primeiras músicas é uma coisa linda, que ressalta as belezas das garotas e não é vulgar de forma alguma. Lindo, na concepção da palavra!

Impressões finais

Sendo fã ou não do Girls’ Generation, recomendo o show como forma de entretenimento. Mesmo com os problemas decorrentes pelo playback, é uma excelente produção. Até mesmo eu, sisudo como sou, desliguei o botão de crítica e me deixei levar em uma das últimas vezes que revi o concerto.

Em uma terra onde o sentimento de patriotismo é forte, entrar e cativar seu povo é algo muito difícil. Todos conhecem a rivalidade histórica entre Coréia do Sul X Japão, por isso me sinto feliz ao ver como grupos do K-pop conseguem se dar bem através do seu próprio talento. Parafraseando o filósofo Arthur Schopenhauer, “A música exprime a mais alta filosofia numa linguagem que a razão não compreende” e SNSD mostrou bem como essa tese funciona na prática, fazendo anos de uma guerra fria serem relevados pelo encanto que exalam no palco.

E não para por ai, não apenas o “povão” curte o Girls’ Generation. Diversas pessoas célebres da Terra do Sol Nascente contemplaram essa turnê. Dentre elas está o “gênio moderno dos mangás”, Eiichiro Oda, autor do mangá “One Piece”. Para terem noção, os volumes encadernados vendem mais que o dobro para o segundo colocado só no Japão e a obra caminha à passos largos para ser a mais vendida atualmente no mundo.

As vendas são tantas que a obra já superou até mesmo o icônico “Dragon Ball”. Oda é um homem extremamente respeitado, por crianças e adultos, sendo tido como o “Akira Toriyama atual”. Por que estou falando isso tudo? Pois o mesmo, inspirado pela performance de Lady Marmalade, fez um fanart de Taeyeon, como pode ser visto na imagem abaixo. Poderosas, não?

E vou encerrando por aqui o review. Caso queiram elogiar ou criticar, usem o espaço dos comentários. O retorno de vocês é extremamente importante para a continuidade de nossos projetos. Desculpo-me também com os Sones, pois, por adversidades, precisei atrasar o lançamento do texto. Em um futuro próximo talvez seja feito o review para o 1st Asian Tour, então fiquem ligados!

Agradeço pela leitura de todos e até a próxima!

Tempo de execução: Aproximadamente 2 horas.

Setlist

01. GENIE
02. you-aholic
03. MR.TAXI
04. I’m In Love With The HERO
05. Let It Rain
06. Snowy Wish
07. ETUDE
08. Kissing you
09. Oh!
10. THE GREAT ESCAPE
11. BAD GIRL
12. Run Devil Run intro
13. Run Devil Run
14. Beautiful Stranger
15. HOOT
16. Complete
17. My Child
18. Ice Boy
19. HaHaHaSong
20. Gee
21. BORN TO BE A LADY
22. Into the new world
23. Way to go
24. It’s Fantastic!

Sobre Sagaz'

Sagaz, alcunha e adjetivo. Futuro professor, pseudo-filósofo, escritor amador e boleiro. Viciado em leitura e café. Twitter: @sgz7

There are 31 comments

  1. Joederss

    Texto perfeito como sempre. Sones não me matem, mas eu não curto esse show. Acho muito fraco. O primeiro Asia Tour é incrível, mas esse show japonês eu não curto.

  2. SunnyBR

    Sou SONE e amei esse post, muito lindo, além de ter dito tudo sobre o que eu queria saber sobre o “1st Japan Tour”. Prefiro esse ao “1st Asia Tour”, é muito + divo O/.

    1. Sagaz'

      Obrigado pela leitura! ^^

      Sobre a preferência de shows, também prefiro o Japan Tour, mesmo ressentido pela falta de solos. Talvez a razão seja a que especifiquei no texto, que o 1st album nipônico seja meu favorito.

  3. Mariana Freitas

    o seu texto ficou perfeito… tbm acho a mesma coisa sobre o playback… poxa elas são um grupo que cantam pra caramba, mas realmente gostei do show, obrigada por postar um texto tão gosto e agradável de se ler. ^^

    1. Sagaz'

      Obrigado pela leitura!

      Playback já especifiquei no texto o que penso. Quem conhece o grupo sabe de seus potenciais, mas quem está começando agora acha que elas se “escondem”. Quem sabe no próximo registro ao vivo não deixam no puro? É torcer para acontecer.

    1. Sagaz'

      Havendo espaço no nosso planejamento, sempre tentaremos agradar ao maior número possível de fãs, dos mais diversos grupos. Logo haverão novidades sobre o Girls’ Generation.

  4. herika

    AMEI O TEXTO , realmente o fato do playback imposto pela SM foi o cumulo , mas eu realmente não me importei , pois sei que elas sambam cantando ao vivo , que isso não é problema para as rainhas <3 , é uma turne muito linda mesmo, mas pra mim 1st asia tour é a turne mais foda de todas ,também amei a intro de RDR que é a musica que eu mais amo , eles terem cortado os solos isso sim me deixo revoltada , as meninas arrasaram nos solos, foram TODOS incriveis e principalmente por Hyon deusa de mais no solo dela , ver o solo da japan tour e da 1st asia tour se ver a grande diferença , ela está tão linda , poderosa e confiante essa turnê realmente foi um divisor de águas para as meninas, e também pelo solo da Sunny minha bia cantando a musica da minha rainha brit PF QUERO NO DVD NÉ AUDHSUASDUHAUH revoltei toda e ITNW é sem palavras , toda vez que escuto , aquele começo do instrumental já me da vontade de chorar, é um musica realmente especial já ouvir milhões de vezes mas o sentimento que essa musica causa é maravilhoso ,e em especial nessa turnê , passou um filme na cabeça de tudo que SNSD passou até chegar ali ,elas foram para japão como grupo kpop e fez sucesso como um grupo kpop ,mesmo nas musicas cantadas em japonês se ver um grupo kpop cantando em japonês, coisa que me da muito orgulho de ver , odeio quando grupos se tornam japonês para conseguir sucesso no japão , ou nos USA , a essência do SNSD faz amar elas cada dia mais,e o poder das noves é visto do começo ao fim , nossa é um dvd incrível , o snsd realmente mostrou porque é um grupo top nessa turnê , FAMILIA GENERATION <3

    1. Sagaz'

      Obrigado pela leitura!

      Sorte que o show em si é muito bom, o que ajuda a relevar o playback, mas queria algo na voz delas de forma pura. :(

      Sobre os solos, confesso que não senti tanta falta. No próximo lançamento eu já considere algo obrigatório. xD

  5. Vinicius

    Sagaz, simplesmente não tenho o que acrescentar.
    Você foi absolutamente cirúrgico nos comentários, transparecendo a grandiosidade não só do show mas principalmente das meninas, e sabendo criticar a péssima escolha de edição do áudio, que foi, também na minha opinião, o ponto baixo do DVD. Saiba que esse é o comentário de um SONE fanático, e que enxergou em seu texto a melhor análise sobre esse show, dentre todas que já li.
    Esperarei ansioso pelo review do 1st Asia Tour.

  6. herika

    E PARA JÁ VI O DVD 3 VEZES E TE JURO QUE NUNCA PERCEBI O NEGOCIO DO BRASIL AUHSDUAHSDUAHSUDHUASHDAHDUHDU , quando vi essa parte corri para ver , e realmente tem , gente esmeraldey toda . HUASHHASHUAHUS

    1. Sagaz'

      Eu vi de primeira, logo quando os primeiros vídeos saíram no youtube, mas nem liguei ao fato. Sabia que era familiar, mas não sabia de onde. Meses depois que fui lembrar! Haha! =p

  7. Pedro

    Seus textos sempre impressionam! Ficou muito bem escrito, soube expor sua opinião (tanto elogios como criticas) sem ferir ninguém. Parabéns!

    Bem falando agora do show… Você foi no ponto certo!
    A forma como editaram o som deu uma certa “murchada” no concerto, mas não apagou o brilho das meninas!
    Praticamente todas as músicas que eram do 1st. Album Japonês foram com playback, e isso decepciona.
    Mas os pontos altos como Gee, Oh!, It’s Fantastic, Complete e principalmente ITNW fazem o show valer muito a pena assitir…
    Até as apresentações com playback ficaram tão bonitas que, como você disse, é só se deixar levar pela beleza e carisma dessas garotas e “enjoy”.
    Sim, esse comentário é de um SONE VICIADO!
    Tenho que tudo que essas garotas lançam, mas não sou cego a ponto de ver não ver os defeitos que esse DVD/Blu-Ray apresetam!
    ahuauahauhauah

    Parabéns mais uma vez!

    Como sugestão deixo o Concerto do 2NE1 – Nolza… muito bom tbm :)

    1. Sagaz'

      Obrigado pela leitura e pelos elogios! =D

      Existe a máxima que diz “comunicação não é o que você lê ou escreve, mas aquilo que os outros entendem”. Tento levar essa frase como minha guia, pois tenho que ponderar o lado passional do fã, sem abrir mão do lado pragmático que uma crítica bem feita exige.

      Girls’ Generation foi o grupo que me inseriu definitivamente no Kpop, apesar de já conhecer outros grupos anteriormente, então também tive que controlar meu lado fã.

      Creio que o lado tenha sido satisfatório.

      Mais uma vez, obrigado pela leitura.

    2. Sagaz'

      Sobre o Nolza, por coincidência ou não, ele seria publicando antes desse review. Mas como os pedidos pelo show das soshis foram muitos, mudamos a ordem.

      Como não conheço a fundo o 2NE1, o texto ficará a cargo do Joederss, que é o mais capacitado a falar do grupo e destacar suas características. Em breve haverão novidades sobre esse tema.

    1. Sagaz'

      Contenção de custo, caso contrário teriam de usar ao mínimo duas mídias, o que elevaria o custo de produção e seria refletido no valor final do produto.

      Além do que, provavelmente naquele momento eles queriam uma espécie de “EP ao vivo” do disco, por isso optaram por não incluir os solos.

      Resumindo: Decisão mercadológica.

  8. herika

    Os solos foram cortados porque se não iria ficar um dvd muito grande e teria que ser dois cds, e a sm não queria fazer dois cds , então cortaram os solos; INFELIZMENTE –‘

  9. Letícia Vasconcelos

    Acho que esse concerto supera de lavada o primeiro em questão da filmografia (apesar da 1st Asia Tour ainda ter gold medal no meu coração), é pura excelência. Claro que eu fico triste quando sei que elas cantam ao vivo mas fazem questão de mudar tudo na edição, ou quando cortam os solos (porque os solos dessa tour são épicos, a Sunny, Hyo e Sica deram um upgrade enorme nas suas apresentações individuais)…. mas eu sobrevivo.
    Adoro as músicas do álbum japonês delas… aqueles que reclamam dizendo que as soshis não dançam mais coreografias difíceis deveriam ver esse show, pois as coreos das músicas japonesas são difíceis pra caramba (tem que ter uma precisão que eu nunca vou ter na dança).
    Acho mágico a parte em que elas cantam ITNW, My Child e It’s Fantastic…
    Nem preciso falar da intro, porque a ideia de fazerem nove lindas garotas saírem de um diamante é genial! Por isso se alguém não entendeu o contexto do diamante em The Boys, tá aí a explicação.
    O remix de Genie botando a rapper Hwang em ação é demais (adoro quando ela fala “This is my Girls’ Generation”), elas voando em I’m Love With a Hero é lindo, e me emociono demais em Let It Rain.
    Enfim, esse concerto é épico, só não ganha do primeiro porque o queridinho 1st Asia Tour tem algo mágico que eu não sei explicar… parece uma terra dos sonhos, sei lá.

  10. Paulo

    Eu não faria nada de diferente, e eu reparei na 1° vez que o vi DVD que tinha sido abusado do uso do playback, só não sabia se era no show mesmo ou na edição, esse proficional não merece o titulo que tem! Mas espero que o proximo show seja “puro”. E estou no aguardo do proximo review sobre elas ^^

Poste o seu comentário