[OPINIÃO] Contrato Escravo

bap-670x365

Olá Kners, hoje vamos trabalhar um assunto sério, muito sério. Esse tal de contrato escravo que tanto falam no meio musical coreano.

Recentemente o caso Kris e Luhan vs SM Entertainment ganhou muita atenção de fãs do mundo todo, por isso decidi vir conversar com vocês sobre o tema.

O que é um contrato escravo?

Contrato escravo é um termo utilizado para se referir aos contratos assinados pelos trainees coreanos (mas isso também acontece no Japão) quando os termos são absurdamente favoráveis para a empresa e deixam o futuro ídolo de mãos atadas, recebendo relativamente pouco ou até mesmo nada, trabalhando excessivamente e sendo privado de coisas básicas como contato com a família.

Existem infinitos exemplos como o RaNia, as integrantes do grupo tinham o contato com a família radicalmente reduzido, a empresa controlava todo contato com ‘o mundo externo’ de forma assustadora. Não é à toa que um documentário sobre o tempo de treinamento delas rola na internet e ganhou certa fama, algumas cenas são bem pesadas. Também temos situações como o B.A.P, onde os meninos alegaram render milhões para a empresa e após dois anos sem pagamento receberam 18 mil dólares, o que não é nada se olharmos o contexto como um todo. Contratos escravos não são exclusividade de grandes empresas, mesmo as menores praticam isso e já chegou a virar ‘piada’ entre os artistas, como no videoclipe de ‘Bar Bar Bar‘ do Crayon Pop.

O problema vai muito além do que vemos

Um dos problemas para os jovens assinantes de contrato injusto é que não existe muito respaldo legal para ir contra a empresa ou mudar as coisas. O que acontece é que na Coreia existe toda uma cultura de se fazer hora extra de graça só pra impressionar o chefe, trabalhar no seu dia de folga só pra dizer que está se esforçando, não usar todo o período de férias pra não ser tachado de preguiçoso. E sabemos que cultura não se muda de um dia pro outro.

Mas o que isso tem a ver com o kpop? Se num emprego ‘comum’ a pessoa já entra pensando que o certo é trabalhar mais que todo mundo, chegar à exaustão como se isso fosse alguma vantagem ou qualidade (romantização do sofrimento, também fazemos isso aqui no ocidente) porque seria diferente quando você está treinando –competindo- para debutar num grupo? Faz total sentido que naquele ambiente a coisa seja ainda pior, porque você tem que mostrar pra todo mundo o seu dom, seu brilho, porque se não tu vai ficar pra trás e nunca vai fazer sucesso nem ganhar dinheiro.

Por isso ser tratado como algo totalmente normal são poucas as pessoas que lutam para que hajam alterações na legislação. Quando o caldo entornou e o grupo que na época era o maior sucesso de vendas/compras/visualizações/tentativas de assassinato/arrombamento/sesaengs entrou com um processo contra sua empresa, sim estamos falando do TVXQ e da SM Ent., o mundo parou pra ver o que estava rolando com a galera do babado. Três integrantes alegavam que seu contrato era escravo, pois recebiam uma quantia absurdamente pequena perto do lucro que geravam para a empresa, tinham agendas que não permitiam 5 horas de sono por dia, às vezes nem as refeições, e a duração de 13 anos do contrato era um absurdo de longa. Mil anos depois eles ganharam o caso e se viram livres da empresa malvadinha.

Mas a coisa ficou muito maior que isso, o governo percebeu que a população ficou assustada com aquilo e, 99% dos coreanos tenta se tornar um ídolo (dados não reais), então foi criado o ‘Fair Trade Comission’ que ficou responsável por formular um contrato base mais justo, o qual as empresas deveriam usar como base. Além disso a empresa do caso decidiu dar parte de suas ações para seus artistas, aumentando assim o lucro desses humanos e diminuindo a chance deles saírem da empresa. Se a empresa cresce, eles ganham mais.

Não existe uma lei trabalhista para artistas, cada caso é um caso então se você ficou insatisfeito com seu contrato vai ter de entrar na justiça contra os trocentos advogados da empresa e tentar ganhar o caso ao alegar que você foi vítima de abuso de poder e tudo mais.

Para não dizer que não existe lei, as empresas estão proibidas de debutar pessoas com menos de 15 anos, pode parecer pouco, mas assim a pessoa assina o contrato com um pouco mais de maturidade e consciência dos riscos, também perde menos anos de ensino e toda a questão da sexualização de crianças fica menor.

Aos olhos das empresas

Temos de olhar os dois lados da moeda. Para a empresa os trainees são seu possível produto, logo vão tratá-los como tal e, se o jovenzinho e seus responsáveis estão de acordo com isso, qual o problema? Todo mundo está de acordo. Você treina bastante, recebe aulas de dança, canto e atuação, treinamento em algum exercício específico ou esporte e tudo isso pra no final ficar famoso e rico. Parece um sonho, mais do que justo.

E a lei está do seu lado (empresário), você lança essas crianças, depois de investir uma fortuna nelas, consegue colocá-las na tv, nas rádios, um dorama e até um filme quem sabe. As crianças e seus papais e mamães já sabiam que o valor que foi investido neles teria de ser pago, ninguém quer ficar no prejuízo não é mesmo?! Depois da estreia a empresa ainda garante moradia, continua os treinamentos, compra músicas, melodias e coreografias que custam uma fortuna, então a empresa tem que ficar com boa parte dos lucros para poder custear tudo isso e ainda sair ganhando alguma coisa né, capitalismo básico, sem injustiça.

Até ai tudo bem, nada ilegal, nada aparentemente injusto ou escravo [que palavra forte]. A empresa também toma conta de redes sociais, telefones ‘pessoais’ e tudo o que é dito pelos artistas, pois não se pode correr o risco de algum desses adolescentes falar uma besteira e ser odiado para sempre, se isso acontecer o dinheiro vai embora. Nada de namoros, seus fãs são ciumentos; nada de redes sociais, isso é muito arriscado; nada de opinião política, econômica, ou seja lá o que for, tem que lutar pra ser um cristo e agradar o máximo possível de pessoas. E quem cuida disso tudo? Quem vai resolver as tretas se o artista vacilar? Quem vai pagar as multas e ficar queimada também? A empresa, então super justo ela tomar conta dos telefones e namoricos.

Paga salão de beleza todo dia, paga roupa cara, paga cirurgia plástica, paga paparazzi, paga revista de fofoca, paga site de fofoca, paga gasolina, paga os ‘ajudantes’ (managers), paga almoço, paga tudo para essas crianças e ainda corre o risco de não ganhar nem o que investiu.

O que os artistas vivem

Agora somos os jovens sonhadores que querem sucesso, os holofotes, os fãs, o dinheiro e tudo mais. Você entra na empresa com um objetivo e está disposto a suar muito por isso. Mesmo depois de debutar a pessoa ganha pouco, até pagar os investimentos financeiros que a empresa fez no seu treinamento, as agendas são apertadas, da televisão direto para a rádio, depois fotografias para uma revista, gravar comercial, aparição especial em uma novela, faz apresentação com a perna engessada, levanta às 4 da manhã e vai dormir depois da meia noite. Até chegar num ponto tal em que sua saúde está destruída, pois você tem que comer pouco e se exercitar muito para manter a forma, e para finalizar não dorme, receita certa pra ficar doente. Aparece sendo transportado em uma cadeira de rodas no aeroporto, desmaia de exaustão, fica com anemia, depressão, pouco vê ou fala com a família, não consegue estabelecer amizades ou relacionamentos gerais de longo prazo.

d.ot-ara-hwayoung-leaving-the-group

 

 

 

 

 

 

 

 

Passa um ano, passa dois e o pagamento não aumenta, ainda tem aqueles adolescentes meio atrevidos que invadem a sua casa, envenenam sua bebia, te seguem em qualquer lugar, passam a mão em você, batem na sua cara pra ter sua atenção, cospem em você, comentam numa foto que você é muito feio, sem talento e deveria morrer. Nossa perdi o fôlego.

Além disso, você não só pode como é obrigado a participar de tudo o que é tipo de programa de televisão e rádio para o qual for convidado ou que a empresa consiga te encaixar, não interessa se você não é bom ou não sabe do que se trata.

Imagem de Amostra do You Tube

Um ponto final, por favor

O texto está grande, e desejo que os comentários permitam que ele cresça ainda mais. O que temos de ter em vista aqui é que muitos argumentos que usamos normalmente, não se aplicam devido às leis trabalhistas coreanas. A realidade lá é um pouco diferente, o conceito de certo e errado, exagero e nada além do normal são todos diferentes. Claro que os fãs devem continuar pedindo que as empresas peguem leve e quem sabe até boicotar um evento onde o seu artista amado vai se apresentar mesmo estando doente ou ferido.

Os artistas sabem no que estão se metendo, e se a coisa dá certo é mais do que válido, toda a fama, o dinheiro, os presentes, nossa é muita coisa boa. Mas os contras também são devastadores e as chances de se chegar ao topo são mínimas e a competição é real e pesada sempre, nunca acaba. O bom senso seria, como sempre, a melhor opção, os dois lados estão fazendo investimentos fortes. A empresa entra com o dinheiro e o jovenzinho com o talento, se der errado os dois perdem, se der certo os dois ganham. Mas ainda é um caminho longo até esse ponto tão sonhado.

A luta é real

A luta é real

Fonte: wiki, factor, sophi, wycker, itsbap

There are 24 comments

  1. Ana

    Acho que a pior coisa é a definição “os artistas sabem no que estão se metendo”, é muito generalizado e não acredito que seja verdade, pois a grande maioria deles, principalmente os estrangeiros, assinam sem ter uma base legal do contrato, ou seja, eles não sabem de fato o que está ali. As famílias chinesas, por exemplo, algumas são pobres, e quando o filho(a) tem uma oportunidade como essa assinam o contrato, mas dizer que elas sabem 100% o que tá ali é errado. Temos que lembrar que muitos desses artistas começam a ser trainees ainda muito novos, crianças, eles sonham muito na fama e em mostrar o seu talento, talvez tenham uma ideia do caminho, mas não sabem o que acontecerá, e olha que na Coreia houve vários casos até de abusos sexuais dentro de empresas menores, duvido que o trainee sabia no que estava se metendo.
    Os únicos que ainda tiveram um “final feliz”, bom, na medida do possível, foi o JYJ, mas porque são coreanos, mas mesmo assim sofrem até hoje retaliações da SM, que é uma empresa muito poderosa, então a ‘Fair Trade Comission’ ainda tem muito o que fazer, existe a Lei JYJ, mas só no papel mesmo.
    Ver o lado da empresa é como dizer que tá tudo bem tratar os outros como escravos (é uma palavra forte, mas é a correta a ser usada) apenas porque é capitalismo e precisa lucrar. Há empresas que lucram sem exploração, não sei se no Kpop existe uma inteiramente assim, mas por exemplo, se formos comparar o tratamento que a JYP dá ao Jackson, que é de Hong Kong, trazendo a família dele para visitar porque sabia que ele estava com dificuldades, com o tratamento que a SM deu aos integrantes chineses do EXO (menos lucro, mais explorado), ao Hangeng (cobrir o rosto no palco), etc, vemos que há sim muita diferença e que ela poderia mudar sua política. O problema com os estrangeiros na Coreia é que eles são tratados como mão de obra barata, e a cobrança é o dobro, principalmente com os chineses, se o grupo está bem, ok, mas veja o tratamento que um integrante estrangeiro terá se um escândalo acontecer. Há muita xenofobia e não há desculpas para isso.
    Talvez no futuro essa questão dos contratos seja revista, mas para isso primeiro a sociedade coreana precisa passar por uma transformação, são muitos valores que influenciam o Kpop e, apesar da Coreia ser tão desenvolvida tecnologicamente, ao meu ver, ainda há muito a se fazer socialmente. Uma sociedade cuja taxa de suicídios é tão alta, onde artistas precisam ser bonecos de plástico sem opinião e autonomia, não é perfeita.
    O texto tá legal, mas faltou um foco concreto, uma análise mais detalhada.

    1. Thais Brenda

      Ninguém disse que a “sociedade coreana” é perfeita.
      E sim eles sabem onde estão se metendo, podem não ter consciência total do que está por vir, mas isso ninguém tem em situação nenhuma da vida. Você só sabe inteiramente o que vai acontecer no momento em que acontece. Então dentro da realidade, eles tem noção do risco, e serem jovens não é desculpa, os pais também assinam. Se os pais estão iludidos, paciência, realmente paciência, porque não cabe nem a empresa nem ao governo ‘acordar’ as pessoas pra vida.

      1. Ana

        Acho que você não entendeu o meu comentário e a sua resposta só prova que você precisa entender mais do assunto antes de fazer um artigo de “opinião”, que falou, falou, mas no final não trouxe nada de novo, principalmente para quem acompanha esse site que pelo que vejo ainda não compreendem muita coisa e precisam de uma fonte melhor. Sua visão é a mesma de muitos fãs internacionais, falta conhecimento, não é só porque conhece a música que entende o que acontece lá. E se você quer que as pessoas exponham sua opinião tem que parar de ficar discutindo com seus próprios leitores e aceitar que nem todos pensam como você.

        1. Jessica

          Concordo com a Ana viu, dizer que os artistas “sabem no que estão se metendo” e depois afirmar que eles tem “noção do risco”, são contextos bem diferentes. Não acredito que esses jovens tenham plena consciência do que virá, eles assinam contratos muito jovens e pode ser que os pais não dimensionem ou não consigam entender todos os pormenores do contrato. Isso é plenamente plausível.

          1. Thais Brenda

            Eu nunca disse que eles tem plena consciência, disse que eles sabem que estão se metendo numa situação arriscada e que tem noção desse risco.

        2. Thais Brenda

          Eu entendi seu comentário, só discordo em alguns pontos. Deixa eu explicar uma coisa que pensei ter ficado clara. Os meus textos de opinião não são feitos para abrir uma nova janela na existência dos leitores. Meus textos são curtos e contém o basicão porque é o que muita gente está disposta a ler, se eu escrever mais (se eu escrever tudo o que eu sei) muita gente não lê, e o que eu mais quero é atingir o máximo possível de pessoas, inclusive as que não gostam de ler. Se você acha que não tem nada de novo, apresente nos comentários, eu ficarei muito feliz com isso, justamente pra poder construir uma discussão saudável. Não precisa levar pro lado pessoal, isso aqui é um monte de gente falando de algo que ninguém conhece de verdade, vamos ser todos humildes e realistas.

    2. Meliane

      Tenho o mesmo ponto de vista.
      Nesse momento, no presente, eu acredito que algumas pessoas tenham uma noção básica de como funcionam as empresas, mas na altura de TVXQ, com certeza eles não sabiam.
      Vou dar um exemplo, existem empresas que usam os artistas – geralmente, mulheres – como troca de moeda, elas basicamente viram acompanhantes de luxo de empresários e produtores, para que eles possam investir na empresas, eu não acredito que uma pessoa entraria em determinadas empresas sabendo disso, isso prova que nem todos sabem o que têm pela frente.

      – A sociedade Coreana que nós conhecemos hoje ainda é muito nova e só quem é de uma sociedade tão nova e com tantos traumas, pode entender a mentalidade da população, falo isso porque o meu país de origem só tem 46 anos. São sociedades sem avaliação própria, apenas querem copiar o que vem de fora, por isso toda a questão com a beleza… Enfim. A Coréia é uma criança que fisicamente cresceu rápido demais, mas que mentalmente evoluiu pouco. – Me desculpem por ter falado disso já que não está 100% ligado ao post.

      Tem um ditado Português que diz ” Só quem está no convento sabe o que se passa lá dentro”. A gente pode falar tudo é mais alguma coisa, mas só quem vive aquilo, sabe como é.

      1. Thais Brenda

        No seu primeiro parágrafo, algumas pessoas comentaram esses casos estremos onde ocorre prostituição, estupro e tal. Mas eu não me referi a eles quando disse que a pessoa já sabe o que a espera, deus me livre dizer que alguém assina um contrato sabendo que pode ser molestado e tá de boas com isso. Acho que fora esse ponto que eu devia ter me explicado melhor no texto, concordamos em muita coisa.
        Sobre o segundo parágrafo eu fico super agradecida de você ter comentado isso, porque eu estou até montando um texto sobre a cultura da aparência e talz. Mas em relação às mudanças na Coreia, na verdade ela diminuiu fisicamente porque foi dividida em duas há aproximadamente 50 anos, você deve saber disso melhor do que eu e, mentalmente eu acho que mudou bastante até, se compararmos como era antes dessa divisão e agora com todo avanço tecnológico etc. Só que alguns pontos muito ‘chamativos’ para os ocidentais e com uma base cultural muito forte pra eles, ainda precisa ser mudada.
        Ou foi isso ou eu não entendi seu último comentário, se for o caso, desculpa.

        1. Meliane

          Quando eu disse fisicamente me referia ao facto de eles terem cresdido muito na parte prática, o avanço da tecnológia, a entrada no mercado internacional e etc, enquanto que as pessoas ( parte delas ) ainda tem uma mentalidade muito ignorante, mas é normal.
          As mudanças ocorrem em Seul e nas outras grandes cidades da Coréia, porque em geral as pessoas dessas cidades já sairam da Coréia e conhecem um pouco mais do mundo, mas em Jeju por exemplo, ainda há muita ignorância e até mesmo preconceito, mas em média geral, para um país que só por volta de 2000 começou a receber estrangéiros em larga escala e que tem uma população em que ~80% das pessoas são “sangue puro” com certeza a evulação deles é no mínimo impressionante, em todos os sentidos.

  2. Mage

    Concordo com a Ana, mas também concordo com a Thais no quesito “saber aonde esta se metendo”, depois do escândalo dos ex intrigantes do TVXQ, eu também acho SIM que o povo sabe onde esta se metendo, afinal se a noticia foi um choque para todos da Asia, o mínimo de noção essa gente agora tem para saber o que se passa dentro dessas agências e o que lhe aguarda!

      1. Thais Brenda

        Nada vai atingir a todos e sua totalidade informacional, mas houve uma mudança. Acredito que essa seja a mensagem, a informação está ali, as pessoas tem que se informar muito antes de tomar uma decisão pra vida toda. E o grupo foi muito famoso, o caso tomou proporções além da Coreia, então a maioria das pessoas que treina pra ser ídolo já ouviu falar pelo menos.
        Não todo mundo, mas isso nunca vai acontecer.

        1. Alanna

          Sim houve uma mudança, afinal eles eram o maior grupo masculino da época e o caso teve uma grande repercussão. Porém não podemos usar esse caso do TVXQ para generalizar e dizer que todo mundo do país “sabe onde está se metendo”. Meu comentário se referiu a isso.

  3. Caroline

    Gostei do texto, é bom ver os dois lados da moeda
    Sobre o comentário da Ana, acho que de 2009 pra cá, as pessoas lá na coreia, já sabem no que estão se metendo, com tantos escândalos envolvendo contrato escravo. Quem é kpopper antigo sabe, não foi só uma vez que isso aconteceu.

  4. Paula

    “capitalismo básico, sem injustiça.” Eu ri, porque só pode ser ironia.
    Eu concordo com a Ana “os artistas sabem no que estão se metendo” é muito generalizado. Todos sabem que não vai ser fácil, mas o quão difícil vai ser é impossível.
    Sobre a cultura de trabalho em excesso que existe, não duvido que um trainee faça isso pra se destacar, mas um ídolo, fica bem difícil colocar mais espaço na agenda. E mesmo que um ser humano desses tente a empresa deveria impedir, mas creio que elas incentivem.
    Como é que a agencia cuida de toda vida pessoal e não cuida da saúde? Afinal, um ídolo doente não trás retorno financeiro.
    Vendo o lado das agencias, não consigo ver nenhuma maneira de defende-las ou achar que está tudo certo porque elas precisam do retorno dos seus investimentos. Até porque muitas vezes se tem esse retorno, mas continuam escravizando.
    E é óbvio que existe uma grande diferença no jeito que as agencias tratam seus ídolos, nunca vai existir 100% de satisfação de ambos os lados, isso não existe nem no ocidente. Mas, mudar é possível. Se algumas conseguem trabalhar sem tanta exploração, outras também.

    1. Thais Brenda

      É eu brinquei com a ideia do capitalismo, não sou a favor da objetificação das pessoas pra vender como produto ahushusahu apesar disso acontecer muito. O problema na questão da saúde é que, mesmo com a perna quebrada, com anemia e blá blá a empresa prefere colocar a pessoa no palco, porque a maioria dos fãs paga pra ver a sua cara, mesmo que doente. O problema é muito maior do que “empresa-ídolo”, existe toda uma cultura além desses dois lados.
      O que eu quis dizer quando falei das agências é que eles estão errados, mas não estão fora da lei, e isso é um problema muito sério.

  5. vicky

    isso e injusto e muito triste.nao sabia dessa realidade deles por muito tempo achei que tudo isso pra eles era diversão,curtiçao e felicidade agora percebo que não e assim.bom o que posso fazer agora e dar mais amor a eles.obg thais por me mostrar esse lado.
    eu queria te pedir pra falar sobre esses boatos novamente sobre a seventeen esta sendo rebaixada e escravizada pela Pledis entertainment?por favor e se você puder é claro.beijo tchau te adoro

        1. PuJin

          Esse escândalo é um pouco velho, e tudo não passou de boato mesmo.
          Até onde sei a Pledis é um amor de empresa
          Isso começou quando um “fã” (ou um site, não me lembro) postou uma foto de um jogo no qual eles estavam sentados no chão e disse que a empresa estava maltratando-os.
          Outro ponto apresentado foi que o grupo estava sendo privado de comida e toda a comida dada a eles estava indo para os staffs. Isso não passa de uma prevenção da Pledis para que os meninos não se intoxiquem, já que alguns haters (muito infelizmente) dão comidas estragadas ou com alguma coisa que pode fazer mal aos idols (é triste ver que essa medida tem que ser tomada, colocando os staff e os integrantes do grupo em perigo, mas isso mostra que eles se importam com o bem deles)

          A Pledis é uma das minhas empresas favoritas, ela tem bons trabalhos com os grupos e eu nunca fiquei sabendo de alguma polêmica grande envolvendo-a. Espero ter ajudado a esclarecer algumas coisas ; )

          1. vicky

            bom obrigado por esclarecer isso pra mim Pujin (nossa!que nome legal gostei) eu estava ficando preucupada com eles e essas coisas e tal….Bom obrigado,sua linda (bom eu não sei se você e bonita ou não afinal eu nunca te vi e tal,tenho a impressão que você tenha olho puxadinho .espero que você veja meu comentário tchau)beijo

Poste o seu comentário